Categorías
Todo sobre el embarazo

Laser CO2: prós e contras do tratamento que elimina rugas e manchas da pele

O que é laser CO2 Todo o laser é uma concentração de fontes de radiação eletromagnética ou luz. No caso do laser CO2, ele é um ablativo, ou seja, que provoca uma queimadura na pele, que ao cicatrizar, estimula a produção de colágeno e também uma retração da pele, causando esticamento e melhora das rugas finas.

O que é laser CO2

Todo o laser é uma concentração de fontes de radiação eletromagnética ou luz. No caso do laser CO2, ele é um ablativo, ou seja, que provoca uma queimadura na pele, que ao cicatrizar, estimula a produção de colágeno e também uma retração da pele, causando esticamento e melhora das rugas finas. Porém, como seu alvo é a água, não há tanto risco que ele atinja a derme, se concentrando na epiderme (camada mais superficial da pele). Resumindo, ele remove camadas inteiras da pele, em uma profundida programada por quem o está operando.

Porém, como sua recuperação é muito lenta, afinal uma área grande de pele é lesionada, e a chance de causar manchas é muito maior, criaram a tecnologia do laser CO2 fracionado, em que o raio único é dividido em diversos microrraios, atingindo a pele mais profundamente e em regiões menores.

Outros nomes

Resurfacing à laser, peeling de CO2

Indicações do laser CO2

Por abranger uma área maior e com menos profundidade, o laser CO2 é indicado para casos de envelhecimento mais severo da pele, quando sua versão fracionada gera resultados aquém da expectativa do paciente. Também é usado para tratar imperfeições da pele, como cicatrizes de acne, rugas, flacidez cutânea, estrias, e também para um resurfacing, ou seja, um esticamento da pele, principalmente no pescoço, pálpebras e em torno da boca.

Essa tecnologia também tem usos terapêuticos, como em ceratoses actínicas (lesões pré-malignas) e ceratoses seborreicas (pintas benignas), além de verrugas virais e manchas. Ele também pode ser usado para melhorar o aspecto de cicatrizes cirúrgicas, inclusive queloideanas, estrias atróficas e outras lesões de pele.

Saiba mais:
Flacidez no pescoço: veja tratamentos que reduzem o problema

Como o laser CO2 é usado

O tratamento é sempre feito em consultório. Na maioria das vezes usam-se cremes anestésicos na região que será tratado trinta minutos antes, para que façam efeito até o momento da aplicação do laser. Em alguns casos também pode ser usado em sedativo suave, e ai o paciente precisa ir com um acompanhante.

Os olhos do paciente são protegidos e a sessão começa. Trata-se a pele de forma completa, não deixando nenhuma área sem tratar. Junto com a aplicação, é utilizado um zimmer, aparelho que sopra um ar gelado, capaz de minimizar a dor e a inflamação na hora da aplicação.

Sessões

Quando se trata de manchas ou poros dilatados, são necessárias cerca de duas sessões. Para tratar estrias, cicatrizes, rugas e flacidez são necessárias de três a seis em média. O intervalo entre elas é de um ou dois meses. A melhoria adquirida em cada sessão é duradoura. As sessões seguintes melhoram os resultados.

No geral, a melhoria obtida é duradoura, mas como o envelhecimento é um processo constante, no geral é necessária reavaliação com o médico anualmente, para verificar a necessidade de reaplicação desse laser.

Cada sessão dura de 20 a 30 minutos, e se for contato o tempo de aplicação dos cremes anestésicos, leva-se uma hora no total.

Profissionais que podem fazer

Por se tratar de um laser ablativo, ou seja, que pode provocar danos na pele, o ideal é que o procedimento seja feito por um médico dermatologista ou cirurgião plástico, que saberão manejar melhor essa tecnologia.

Cuidados antes do laser CO2

Algumas vezes é necessário fazer um tratamento preventivo com seu dermatologista para herpes e bactérias sete dias antes da aplicação do laser. Antes da sessão, a pele precisa estar complete limpa e desengordurada. Também é importante que a pele não esteja bronzeada. Já o uso de ácidos e cremes é permitido até 2 dias antes do procedimento.

Cuidados após o uso do laser CO2

Logo após a sessão há uma sensação de calor na pele, portanto o paciente deve ser deixado em uma sala bem resfriada, ou usar máscaras frescas, compressas de soro gelado ou água termal. O ideal é que o paciente só deixe o consultório após o alívio da sensação de dor e desconforto, mas caso ela prossiga, pode ser necessário o uso de analgésico oral. No dia seguinte pode haver uma piora no inchaço da pele e algumas microlesões, que devem ser cuidadas com a boa higiene da pele e uso de emolientes e cicatrizantes, até a recuperação completa da pele.

No geral, o paciente é visto pelo médico ou auxiliar diariamente ou em dias alternados, até a pele cicatrizar totalmente. Muitas vezes o paciente precisa tomar medicamento antiviral até a pele estar completamente recuperada. A proteção solar também é fundamental, com produtos com fator de proteção solar acima de 30, além de roupas e chapéus, para evitar manchas posteriores.

Algumas vezes, o LED (luz emitida por diodo) pode ser usada também com efeito anti-inflamatório. O edema (inchaço) pode durar até 15 dias, enquanto o eritema (avermelhado) pode durar até 45 dias.

Contraindicações

O laser CO2 é contraindicado em pacientes com pele negra ou tendência a cicatrizes queloides, pessoas com vitiligo, lúpus e outras doenças fotossensíveis, herpes em atividade ou outras infecções na pele. Além disso, ele não deve ser feito em pessoas que usam medicamentos fotosensibilizantes, anticoagulantes orais e a isotretinoína para tratamento da acne. Pacientes com problema de cicatrização hipercrômica (cicatrizes escuras) ou hipocrômicas (cicatrizes claras) também devem ser avaliados.

Grávida pode fazer?

O procedimento não é indicado para grávidas, já que não há estudos que comprovem a segurança para elas.

Possíveis complicações do uso do laser CO2

Como a pele fica sensível com esse tipo de tratamento, há o risco de infecções. Além disso, o processo pode muitas vezes gerar cicatriz, queloides ou mesmo manchas – como a pele do brasileiro é uma mistura do europeu com o africano e o índio, mesmo quando ela é branca, tem uma grande capacidade de pigmentação, o que torna esse último problema mais comum. Além disso, outra complicação possível é vermelhão (eritema) persistente na pele.

Antes e depois do laser CO2

Após entre 10 e 15 dias já é possível notar que a pele fica com mais viço, reduzindo os poros e melhorando a textura. Com o tempo, em um prazo de até seis meses, percebe-se melhora nas rugas e manchas da pele, tanto que ele é considerado um dos tratamentos de maior impacto no rejuvenescimento da pele.

Alie o laser CO2 com…

Alimentação rica em proteínas As proteínas de alto valor biológico ajudam a estimular a formação de colágeno na pele.

Proteção solar diária Usar protetor com FPS acima de 30 ajuda a minimizar os efeitos da radiação solar na pele, que pode causar envelhecimento e manchas, além de câncer de pele!

Parar de fumar O cigarro entope os micro vasinhos da pele, o que diminui o aporte de oxigênio e nutrientes e a consequente diminuição da vida das células que produzem as fibras colágenas.

Botox A toxina butolínica aliada ao CO2 causa um efeito lifting na pele, aumentando muito o rejuvenescimento, principalmente na área dos olhos.

Preenchimento com ácido hialurônico Ambos os tratamentos auxiliam na suavização de rugas mais profundas da pele.

Luz intensa pulsada Auxília o laser CO2 na redução de manchas na pele com mais eficiência.

LED Após o tratamento com o laser CO2, ele ajuda na diminuição da vermelhidão da pele e de outros problemas.

Ácido retinóico Cremes com esse ácido na composição ajudam a preparar a pele para o procedimento e podem potencializar resultados depois. Mas devem ser usado com indicação médica, já que também causam certa agressão na pele!

Fontes

Dermatologista Isabel Martinez (CRM-SP 115.398), membro da Academia Americana de Laser e Cirurgia, da Academia Internacional de Dermatologia Cosmetologia e com atualização em Laser pela Universidade de Harvard

Dermatologista Abdo Salomão Junior (CRM-SP 91.536), membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia

Dermatologista Valéria Campos (CRM-SP 73.176), membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia

Dermatologista Ana Pia Coelho (CRM-RJ 458013), membro efetivo da Sociedade Brasileira de Dermatologia e diretora médica da Clínica Dermatológica Dra. Ana Pia Gomes Coelho

Farmacêutica Mika Yamaguchi, diretora científica da Biotec Dermocosméticos

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *