Categorías
Todo sobre el embarazo

Kombucha: como tomar, benefícios e como fazer

O que é Kombucha O kombucha se trata de um chá fermentado com sabor ácido e adocicado. Ele é uma bebida de nome complicado, mas = cuja aparência é similar a um refrigerante natural. O kombucha é resultado de uma cultura de microrganismos chamada cogumelo de kombucha, zoogleia ou biofilme, conta a nutricionista Natasha Barros.

O que é Kombucha

O kombucha se trata de um chá fermentado com sabor ácido e adocicado. Ele é uma bebida de nome complicado, mas = cuja aparência é similar a um refrigerante natural.

«O kombucha é resultado de uma cultura de microrganismos chamada cogumelo de kombucha, zoogleia ou biofilme», conta a nutricionista Natasha Barros.

Saiba mais:
Compare os nutrientes e os benefícios de 14 chás

Também é muito comum encontrar na internet essa cultura sendo chamada de «scoby» e sua aparência é similar à de uma panqueca pegajosa, podendo ser um pouco estranho à primeira vista.

«A bebida é fermentada por uma massa de microrganismos presente em chás como o verde, mate ou preto e é misturada com água e açúcar», detalha Elaine.

kombucha - Foto: Thinkstock
kombucha – Foto: Thinkstock

Se você já é adepto de um estilo de vida natural e gosta de novidades, já deve ter ouvido falar do kombucha (pronuncia-se «kombutchá»).

Na verdade, apesar de estar em alta, a bebida não é nem um pouco nova, já que «sua origem teve os primeiros relatos registrados em 221 a.C., na China», de acordo com a nutricionista Elaine de Pádua. Porém, só agora ela vem se popularizando, graças ao movimento de muitas pessoas em busca de uma vida mais saudável.

Benefícios do Kombucha

  • possui alto índice de antioxidantes
  • vitaminas do complexo B
  • auxilia a prevenção e recuperação de lesões nas articulações
  • auxilia o sistema imunológico
  • o chá ainda pode ajudar no processo digestivo
  • auxílio no emagrecimento
  • desintoxica o organismo
  • melhora o funcionamento intestinal
  • melhora a absorção de nutrientes e diminui alergias e intolerâncias alimentares

Como ter o seu kombucha

scoby, kombucha - Foto: Thinkstock
scoby, kombucha – Foto: Thinkstock

A forma mais comum de se obter uma pequena colônia é pela doação, conhecendo alguém que já tenha o kombucha. Esse sistema é o mesmo seguido por quem tem kefir, uma vez que eles crescem e se multiplicam.

Se você não conhece ninguém que tem, vale entrar em grupos e fóruns da internet onde pessoas que são adeptas da bebida estão reunidas. Quem sabe não acaba encontrando alguém do seu bairro que possa doar?

Como fazer kombucha

Existem muitas receitas na internet sobre como fazer o chá de kombucha e, inclusive, as pessoas que doam o scoby costumam instruir quem recebe a doação sobre como realizar o procedimento que pode ser um pouco complexo.

O processo consiste, basicamente, em deixar o scoby fermentando dentro do chá adoçado por alguns dias.

O tempo necessário vai variar de acordo com a temperatura do lugar onde se mora e é preciso ir experimentando até notar que a bebida conquistou um sabor levemente azedinho e adocicado, agradável de tomar.

Quando a bebida ficar fermentando tempo demais, a tendência é que o sabor fique parecido com um vinagre e isso é sinal de que não está bom para consumo.

Como consumir o Kombucha

Por ser probiótica e ter propriedades tão poderosas, a bebida deve ser consumida de forma controlada. Elaine recomenda cautela na quantidade:

«É importante lembrar que o consumo não deve ultrapassar mais 300 ml por dia, em adultos», diz ela. Além disso, comece com menores quantidades e vá aumentando o consumo com o passar dos dias.

Saiba mais:
Chá entre as refeições pode ser um santo remédio

Perigos do Kombucha

«O kombucha pode ser prejudicial para pessoas hemofílicas e mulheres grávidas ou que estão amamentando. No período de amamentação, ele pode atuar como um potente laxante no sistema digestivo do bebê, o que é prejudicial.

Além disso, se durante o preparo o chá mofar e for contaminado por fungos ou bactérias ruins e pode fazer mal à saúde. Ele é contraindicado para diabéticos, gestantes, lactentes, hipertensos, pessoas com problemas gástricos e crianças menores de 6 anos», ressalta Natasha.

Fontes:

Nutricionista Natasha Barros

Nutricionista Elaine de Pádua

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *