Categorías
Todo sobre el embarazo

É possível engravidar estando grávida? Médica responde

Por Karina Tafner, ginecologista e obstetra* A incidência de gravidez múltipla está aumentando devido, principalmente, aos tratamentos de reprodução assistida e ao adiamento da maternidade para idades mais avançadas.

Por Karina Tafner, ginecologista e obstetra*

A incidência de gravidez múltipla está aumentando devido, principalmente, aos tratamentos de reprodução assistida e ao adiamento da maternidade para idades mais avançadas. Uma gravidez com mais de um feto é chamada de gravidez múltipla. Os termos científicos para descrever o tipo gêmeo ou zigose, são monozigóticos (idênticos) ou dizigóticos (fraternos).

Quando um único óvulo é fertilizado, forma um embrião e ele se divide, resultando em gêmeos idênticos. Gêmeos idênticos são menos comuns que gêmeos os dizigóticos.

Se mais de um óvulo for liberado durante a ovulação e cada um for fertilizado por um espermatozoide, mais de um embrião poderá se formar, implantar e crescer em seu útero. Este tipo de gravidez resulta em gêmeos fraternos e representam a maioria (76%) de todas as gestações gemelares.

Engravidar estando grávida?

Quando ocorre a fecundação de dois óvulos em um mesmo ciclo ela não acontece, necessariamente, ao mesmo tempo. Os óvulos podem ser liberados em momentos diferentes (com intervalo de até 24 horas, como descrito acima). Mesmo que sejam liberados em um mesmo momento, a fecundação pode ocorrer em momentos diferentes. Então um embrião pode se formar e se implantar primeiro e o outro depois.

Na fertilização in vitro, quando dois embriões são transferidos para o útero da mulher, pode ocorrer da mesma forma: cada um se implantar em um momento diferente.

O óvulo fica disponível e viável para fecundação cerca de 24 a 48 horas depois. Após a formação do embrião, ele deve continuar multiplicando suas células, passar para um estágio mais avançado e, após 7 dias de sua formação, se implantar no útero. Alguns embriões podem ter um ritmo de divisão menor do que o outro.

Assim, não há como predizer exatamente quando os embriões foram formados e se implantaram. Com o decorrer da gestação, a medida do embrião pelo ultrassom pode dar alguma ideia se há diferença de tempo entre eles através da medida do tamanho do embrião, mas é um dado subjetivo.

Por isso, acredito que dizer que a mulher «engravida novamente» não é o melhor termo para ser utilizado.

Como ocorre a ovulação com liberação de dois óvulos?

Por ADragan / Shutterstock
Por ADragan / Shutterstock

Uma mulher pode ter várias ovulações em um único ciclo. Isso significa que vários óvulos (normalmente são dois) são liberados pelos ovários. Ambo os óvulos são liberados dentro de 24 horas a partir do primeiro.

Isso ocorre porque, após a ovulação, o ovário inicia a produção de um hormônio chamado progesterona, que inibe seu corpo de ovular novamente algum tempo depois, por isso as ovulações têm pequena diferença de tempo entre elas.

Ambos os óvulos são liberados de um mesmo ovário quando a hiperovulação ocorre.

O que causa a hiperovulação:

  • Genética: é comum que os gêmeos fraternos (gestação dizigótica) ocorram na mesma família, por parte da mãe. Isto é devido ao fato de que algumas mulheres são propensas a hiperovulação.
  • Condições médicas: mulheres com síndrome dos ovários policísticos podem ficar alguns meses sem menstruar consequente a falta de ovulação que pode ocorrer nessa condição. No ciclo em que ovulam, pode haver uma hiperovulação.
  • Tratamentos médicos: quando as mulheres estão em tratamento de coito programado ou inseminação intrauterina, elas recebem estimulantes ovarianos hormonais para que ocorra a hiperovulação, aumentando as taxas de gestação.
  • Contracepção hormonal: ela age impedindo a ovulação da mulher, modo pelo qual protege contra a gestação. Após a parada do uso do método, quando a mulher volta a ovular, podem acontecer ciclos em que ela tenha hiperovulação.
  • Mulheres com mais de 35 anos: têm maior probabilidade de liberar dois ou mais óvulos durante um único ciclo menstrual. Todos ouvimos dizer que quanto mais envelhecemos, mais difícil é conceber, e sim, é verdade. Mas, apesar disso, o avanço da idade pode aumentar a probabilidade de gravidez de gêmeos fraternos, pois há um aumento da secreção do hormônio FSH. Com seu aumento, pode ocorrer a liberação de 2 óvulos em um mesmo ciclo ovulatório. Portanto, é mais provável que as mulheres mais velhas engravidem de múltiplos.

Gravidez de gêmeos: como acompanhar?

Por Dollydoll29 / Shutterstock
Por Dollydoll29 / Shutterstock

O acompanhamento das gestações múltiplas necessita de cuidados extras. O que você precisa saber:

  • Pode precisar de ácido fólico extra: Mulheres grávidas de gêmeos podem precisar de mais ácido fólico para ajudar a evitar defeitos congênitos dos bebês. Recomenda-se 1 miligrama de ácido fólico por dia para gestações gemelares e 0,4 miligramas para gestações únicas. Sabe-se que o ácido fólico reduz o risco de defeitos congênitos do tubo neural, como espinha bífida.
  • A gravidez de gêmeos pode exigir uma maior monitorização quando comparada à gravidez única, com ultrassonografias mais frequentes para avaliar o bem-estar dos fetos, maior número de consultas pré-natal e maiores cuidados da gestante.
  • Os enjoos matinais podem ser piores em gestações gemelares. Uma das causas dos enjoos matinais são os altos níveis de gonadotrofina coriônica humana, (HCG) e sabemos que os níveis desse hormônio estão mais elevados em gestações gemelares, de modo que mulheres portadoras de gêmeos têm maior incidência de náusea e vômito no primeiro trimestre como sintomas de gravidez.
  • Mães grávidas de gêmeos se queixam de mais dores nas costas, dificuldades para dormir e azia do que as gestantes de um único bebê. Podem também apresentar maior taxa de anemia e hemorragia pós-parto (sangramento) após o parto.
  • Você não sente os bebês chutando mais cedo com gestações gemelares. Geralmente, quando você está grávida de gêmeos, os movimentos fetais se tornam perceptíveis para as mamães entre as 18 a 20 da gravidez, e o mesmo ocorre nas gestações únicas. Se você já esteve grávida antes, sabe o que é movimento fetal, mas se está grávida pela primeira vez, não consegue realmente distinguir o movimento da atividade gastrointestinal.
  • Mães grávidas de gêmeos podem ganhar mais peso do que mães que têm um filho. Com os gêmeos, as mães ganham mais peso, pois há dois bebês, duas placentas e mais líquido amniótico. E também é preciso mais calorias para gestações gemelares.Ainda assim, não existe uma fórmula bem estabelecida para ganho de peso durante gestação gemelar.
  • O risco de desenvolver diabetes gestacional é maior em gestações gemelares. O maior risco de diabetes gestacional é ter bebês maiores e exigir um parto por cesariana.
  • O risco de pré-eclâmpsia durante a gravidez é maior em gestações gemelares. A medicina não sabe o que faz com que a pré-eclâmpsia ocorra, mas sabemos que isso ocorre com mais frequência em gestações gemelares. A pré-eclâmpsia é caracterizada por pressão alta e proteínas na urina.
  • Nascimento prematuro. Quanto mais bebês você tiver, menor a probabilidade de levar a gravidez a termo. Se você tiver sinais de trabalho de parto prematuro, poderá receber injeções de um medicamento esteróide para acelerar o desenvolvimento pulmonar de seus bebês. Mesmo assim, seu bebê pode ter complicações, incluindo dificuldades respiratórias e digestivas, problemas de visão e infecção. Intervenções para prolongar a gravidez, como repouso, não são recomendadas porque não provaram diminuir a doença e a morte em recém-nascidos. Infelizmente, não há evidências de que o repouso no leito impeça o parto prematuro ou o parto em gestações gemelares.
  • Aumento do risco de restrição do crescimento intrauterino (RCIU). O termo é usado para classificar bebês que, por alguma razão, não atingiram o tamanho esperado para a idade gestacional em que se encontram.

* Karina Tafner, ginecologista e obstetra; médica assistente do ambulatório de reprodução assistida da Santa Casa (FCMSCSP); especialista em endocrinologia ginecológica e reprodução humana pela Santa Casa; especialista em reprodução assistida pela FEBRASGO

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *